Um boa foda na noite do Reveillon

  • janeiro 24, 2021
  • 3156 views
0 votes

Contarei o que me aconteceu na virada de ano.

Sou habituado a participar de festas com amigos e amigas, tenho 52 anos, solteiro convicto, mas sempre atrás de mulher. Pois bem dessa vez chegou domingo anterior ao réveillon e nada arrumado, foi então que resolvi pegar minha lista e achar alguma das amigas que estivesse liberada como eu. Conversei com algumas e todas já tinham companhia, até que liguei pra uma que namorei há mais de dez anos, mas mantenho contato (quando saio costumo deixar a porta aberta, pra poder voltar quando quiser).

Ela é mais velha que eu, tem filhos e uma neta. Conversamos bastante tempo até que ela me convida pra passar a virada de ano no apartamento dela (mora ela com a filha e a neta) disse que iria só mais uma amiga dela. Como antigamente já comia ela no quarto enquanto os filhos estavam na sala achei um bom convite e aceitei.

A cidade onde moramos tem pouco mais de 200 mil habitantes e o centro dela não é tão grande, eu moro em uma casa de um lado próximo ao centro e ela mora em apartamento do outro lado próximo ao centro. Na noite do dia 31/12 chamei um Uber, levei um vinho e vamos lá. Chegando no prédio a filha dela me esperava na portaria (quando namorava a mãe dela ela era novinha), logo entrei e subimos de elevador. Entrando no apartamento vejo que a amiga dela já estava lá e tinha um macho com ela, o que é normal em se tratando dela.

Quando fui beijar minha amiga reparo que está mancando, contou-me que foi pôr o lixo na escada de serviço e caiu, desceu rolando um lance de escada e está toda roxa, já comecei a pensar que minha noite estava entrando água, e eu tinha tomado um azulzinho.

Sentamos em volta da mesa ficamos comendo, bebendo e conversando a amiga da minha amiga muito fogosa sentada em minha frente só faltava sentar no colo do macho dela. Eu sentado com minha amiga de um lado e a filha do outro e a neta em frente dela. Tomamos a garrafa toda de vinho que eu levei, quando começaram as queimas de fogos fomos todos para a sacada assistir e ali comemoramos juntos, logo após a amiga dela puxa o macho e avisa que vai embora. A filha fala que desce junto pra abrir o portão para eles.

Comi a filha da minha ex namorada

Enquanto isso ajudei a tirar os pratos da mesa e, ao mesmo tempo, passando uma cantada nela, foi quando ela disse que hoje sem chance, que ela está dolorida da queda na escada. Tentei um pouco mas desisti quando a filha voltou, decidi que não teria jogo e disse que iria embora. Foi quando a filha disse me levaria até em casa, disse que não precisava, mas ela fazia questão, dizia que era perigoso andar pelas ruas a noite. Acabei aceitando, me despedi da minha amiga e da neta, e descemos de elevador, conversando foi quando me veio uma idéia. Disse a ela:

– Sua mãe se machucou mesmo, nem quis ver o presente que iria dar a ela.
– Presente? Que presente? Pergunta ela, curiosa.
– Eu disse a ela que tinha um pinto pelado pra ela agasalhar.

Ela parou em frente ao carro olhou na minha direção e disse espantada:
– Cadê? Quero ver!
– Está lá em casa, chegando lá eu te mostro.

Entramos no carro e fomos conversando, a cada mudança de marcha ela esfregava minha perna e eu comecei a passar a mão ne perna dela subindo o vestido. Logo chegamos, ela estacionou e disse:
– Cadê? Quero ver!
– Está lá dentro, deve estar dormindo, vamos entrar.

Não precisei falar mais nada, ela estava fora do carro esperando eu abrir a porta da casa para entrar. Entramos e ela com jeito de mulher safada diz:
– Cadê? Quero ver!

Sentei no sofá pedi pra não fazer barulho que o pintinho estava dormindo. Abri a calça e pedi pra ela tirar pelas pernas, quando ela viu achou tão pequenininho, chegou perto encostou a mão e ele já deu um pulo, e eu disse:
– Logo ele acorda, dá uns beijos na cabeça dele.

Ela começou a beijar a cabeça e massagear as bolas, ele deu outro salto, nisso ela começou a lamber o cacete, não se conteve e engoliu todo, ainda meio molinho, mas já acordando. Depois de alguns minutos mamando ela tira da boca e olha vidrada para o corpo do pintinho e diz:
-Como cresceu!

E chupou mais um pouco, nisso eu estava levantando o vestido e apertando sua bunda, então ela levanta, vira-se e pede pra abrir o zíper do vestido. Faço isso e o vestido cai no chão e rapidamente senta de costas no meu colo procurando meu cacete pra esfregar com a bunda. Aproveito tiro seu sutiã e aperto seus seios, que estão duros de tesão. Desço as mãos pelo corpo e encontro sua racha molhada, começo a apertar e esfregar seu grelo, ela geme.
Ela vira-se de frente pra mim, ajeita a cabeça na entrada da xoxota e começa o vai e vem, quando seu celular toca. Ela para, procura o celular na bolsa e atende, é sua mãe, preocupada.

– Aconteceu alguma coisa? Você não voltou.
– Eu to agasalhando o pintinho pelado que você não quis.
– Como é?
– É mãe, ele tá aqui na minha porta, pronto pra entrar.
– Filha, ele foi meu namorado.
– E agora eu to namorando esse pintinho, que de pintinho não tem nada! Quando eu vi achei tão pequeno, mas mamando como cresceu, maravilha como cresceu na boca. Agora tchau, que ele tá babando pra conhecer minha buceta.

Desligou e começou a engolir na sua xoxota quentinha. Ela começou empurrando devagar e foi aumentando o ritmo de entra e sair. Até largar-se sobre mim no seu primeiro orgasmo. Deu-me um beijo de língua, quente e molhado.

Deitou-se a meu lado e disse:
– Agora você me fode. Quero você me comendo. Vem gostoso.

Comecei a beijar sua boca, foi descendo beijando e mordiscando seus seios, passei pelo umbigo até chegar no grelo. Ela ficou doidinha. Chupei sua xoxota com prazer, ela forçava minha cabeça de encontro a xoxota com mas mãos e apertava com as pernas. Gozou de novo. Então direcionei o cacete na porta da xoxota e fui afundando, cheguei até a metade e parei, esperei tomarmos folego e voltei a meter até sentir as bolas batendo na sua bunda e ela me apertando com as pernas.

Ficamos assim, eu inteiro dentro dela, e ela me prendendo com as pernas, por vários minutos. Sua cara de satisfação é indescritível. Ela, então soltou suas pernas e aí comecei a bombar cada vez mais forte, até socar até o talo e gozar no fundo da xoxota junto com outra gozada dela. O prazer que demonstrava era imenso. Ficamos deitados no chão por alguns minutos. Depois, nos levantamos e levei-a para conhecer meu quarto. Nos jogamos na cama e recomeçamos o namoro. Ficamos de conchinha, beijando sua nuca, mordiscando suas orelhas, enquanto enchia minhas mãos com seus seios e roçava as buceta e cu por trás.

Sem dizer nada ela pegou meu cacete e apontou na entrada do cu e começa a forçar a entrada. Pedi para ela esperar, peguei o tubo de ky passei na porta da cu, enfiei dois dedos lambuzado de creme passei na cabeça do pau. Pedi pra cavalgar, ela ficou de quatro abriu a bunda com as mãos e disse:
– Quero ser sua, macho tesudo, me fode, arromba me cu, quero ser marcada a porra por você.

Isso deixou com mais tesão. Coloquei o cacete na porta do cu e fui forçando a entrada. Foi difícil, mas a cabeça passou, parei um instante pra ela acostumar e comecei o vai e vem, entrando um pouco a cada socada. Ela mordia o travesseiro, apertava o lençol e aguentava a jeba entrando. Quando enterrei tudo, segurei-a pelos ombros, grudei meu corpo suado ao dela, ela vira seu rosto e nos beijamos, foi no mesmo momento em que, juntos, gozamos. Suas pernas amoleceram e ela ficou deitada na cama e eu sobre ela até o pau amolecer e sair de dentro dela. Aí começou a verter a porra depositada dentro do seu cu, que eu comecei a espalhar sobre suas costas e bunda, deixando-a toda gozada. E assim adormecemos.

Acordo com ela agitada, a filha tinha ligado pra ela querendo saber o que tinha acontecido. Disse pra esperar e tomar um banho antes de ir. Ela olha pro meu cacete vê ele duro, começa a me beijar e punhetar. Digo a ela parar com isso, e irmos tomar banho juntos. Ela levanta e me puxa pelo cacete até o banheiro. Lá lavo-a todinha, faço questão de lavar a buceta e cu a fundo, introduzindo dedos ensaboados para limpeza. Ela geme de prazer. Depois é a vez dela me lavar, concentra-se em meu cacete, lava muito bem e vendo ele levantado diz:

– Não tomei leite hoje.
– Tem leite aí, querendo tomar fique à vontade.

Ela abaixa, beija a cabeça, lambe ele inteiro, de todos os lados, e mama ele todo, deixando só as bolas de fora. Fica ali, abaixada, a água caindo e ela engolindo meu cacete, quando sinto que vou gozar seguro sua cabeça e solto jatos de porra em sua garganta, ela aguenta as gozadas, pois me olha, com cara de safada que ainda não conhecia, engole tudo, abre a boca pra mostrar, e diz:
– Tomei tudinho, estava delicioso, quentinho, do jeito que gosto.

Levantou, lavou de novo e terminamos o banho, enquanto a secava o celular dela tocou novamente, ela correu atender, era só mãe, de novo:
– Você volta quando pra casa, se é que volta?
– Desculpa, acabei dormindo aqui, vou tomar banho depois eu volto, tá bom?

Desligou o celular, olhou com cara de safada e me disse:
– Você ouviu? Preciso tomar banho e ir embora.

Levei para o quarto, deitei-a na cama, comecei a mamar seus seios enquanto dava batidinhas em seu grelo, e alisava a xoxota, fui descendo com a língua até a xoxota, abri seus lábios vaginais e enfiei a língua, ela gemia, gritava, e tocava punheta no meu cacete. Não resisti e meti, de novo, naquela xoxota que pedia pra ser fodida. Como essa metida foi deliciosa, ela tremia, gemia, gritava, falava palavrões, pedia para eu entrar dentro dela, e eu chamando ela de puta, vaca, cadela, e socando até o fundo. Quando não aguentei enterrei e segurei ele todo dentro, ele se contorcia, dei-lhe um beijo de língua, até gozarmos juntos. Fiquei dentro dela até que saiu sozinho e molinho. Deitamos lado a lado e disse a ela:

-Acho que precisamos acabar com isso hoje, sua mãe acha que eu acabei com você e sua filha está com saudades da mãe.
– É uma pena, mas o que é bom um dia acaba.

Procuramos onde estavam as roupas, nos trocamos, e antes de sair ela viu ao lado da televisão a cartela do azulzinho, pegou me mostrou e disse:
– Não esquece dele da próxima vez, hein.

Acompanhei-a até o carro, antes dela entrar ganhei novo beijo molhado. Já dentro do carro ela disse:
– Você é tão gostoso quanto eu imaginava. Agora preciso descobrir porque minha mãe não ficou com você.

Passadas algumas horas meu celular toca, era a mãe. Atendi, ela me dá uma tremenda bronca por ter comido a filha dela. Disse a ela:
– Tal mãe, tal filha.

Daí ela disse pra ir lá para conversarmos os três. Ainda não fui, mas devo ir até o final de semana.


Ver mais relatos de contos eróticos com fotos

1 comentário para “Um boa foda na noite do Reveillon

Deixe seu comentário

Meus contos eroticos é o melhor site de relatos eróticos da internet. Sempre com os contos mais picantes e cheios de sensualidade. Aqui tem um acervo de histórias reais sobre sexo, para todos os gostos. Tem contos pornô gay, hétero, fetiche, corno, coroas e muito mais. O meu contos eróticos é atualizado diariamente, trazendo para os leitores, o melhor em conteúdo totalmente grátis para você soltar a imaginação e curtir muito prazer com cada relato real contado aqui. Você pode compartilhar com a gente o seu conto, basta clicar no link e colocar a criatividade em prática, contemplando os leitores com suas experiências sexuais mais safadas.
© 2021 - CONTOS ERÓTICOS – Contos Eroticos, Sexo e Porno (2021)

porno - xvideos - contos eroticos - contos eróticos - quadrinhos eroticos - hentai - X Videos - Filmes Porno

error: